É possível pegar Covid-19 da água da piscina?

O SARS-CoV-2 é um vírus identificado recentemente, mas é o sétimo coronavírus a infectar humanos. Ele provoca a doença conhecida como Covid-19, que, embora apresente um baixo índice de mortalidade, é de alta transmissibilidade. Dentre os três grupos conhecidos de vírus, o grupo em que está incluído o SARS-CoV-2 é o mais fácil de eliminar mas como isso funciona na água das piscinas? É  possível pegar Covid-19 desta forma? Se a água de uma piscina estiver clorada dentro da norma técnica da ABNT – NBR 10818:2016 – “Qualidade da água de piscina”, recomendada pela Anvisa, não há risco de contágio por meio da água para os banhistas. Sobre as características físico-químicas da água, a norma diz:

“A limpidez da água apresentará um padrão que permita a visualização à luz do dia, do ponto mais profundo do tanque. A superfície da água deve estar livre de matérias flutuantes e espumas estranhas à água do tanque da piscina, não devendo existir detritos no fundo do tanque. O cloro residual estará compreendido entre 0,8 mg/l e 3,0 mg/l, o pH da água estará entre 7,2 e 7,8.”

É só jogar cloro na água?

Não basta jogar cloro na água uma vez por dia, pois isso não garante o residual necessário de cloro ao longo do dia. Por sua própria natureza, o cloro é um elemento que se dilui e vai perdendo sua concentração rapidamente. Para garantir esse residual, é necessário análise frequente da água (o Ministério da Saúde recomenda que se faça a cada 2 horas) para controlar sua dosagem de forma constante. A automação por meio de analisadores conectados a dosadores é a forma mais segura de garantir um residual seguro e estável  24 horas por dia.

A Hidrogeron possui mais de duas centenas de clientes como academias, clubes, parques aquáticos, resorts e hotéis que utilizam o sistema de geração de cloro in loco para descontaminar suas águas e para que não tenham não ter preocupação alguma com  o controle de estabilidade no residual de cloro. Assim, essas empresas  podem garantir aos seus clientes que não haverá riscos de contágio do coronavírus por meio da água da piscina.

E o que dizem os especialistas?

Para ajudar a esclarecer as pessoas sobre essa questão, selecionamos algumas matérias elaboradas por grandes veículos de comunicação. Foram consultados médicos infectologistas e especialistas no combate ao coronavírus.

A leitura é importante, tanto para usuários de academias, atletas, associados de clubes ou moradores de condomínios, cujas piscinas são compartilhadas. Adiantamos que todos os especialistas consultados apontam que não há risco de contaminação por meio da  água da piscina quando sua cloração está sendo feita da forma correta. Portanto, o contato ou até mesmo engolir acidentalmente a água de uma piscina cujas águas possuam cloro na dosagem recomendada, a possibilidade de contrair Covid-19 é nula. No entanto, os infectologistas alertam: a aglomeração tanto dentro das piscinas quanto no seu entorno é tão arriscada quanto em qualquer outro lugar.

Para que você elimine todas as suas dúvidas e saiba se é possivel pegar covid-19 na água da piscina, sugerimos a leitura das seguintes matérias:

El País

O jornal espanhol El País, analisa em um relatório publicado pelo Conselho Superior de Pesquisas Científicas da Espanha (CSIC, na sigla em castelhano).

O relatório afirma que a infecção pelo SARS-CoV-2 através do contato com a água em condições padrões para o banho é muito pouco provável.” Clique aqui e leia a matéria completa.

 

Zero Hora

Matéria do Zero Hora, de Porto Alegre (RS), traz perguntas dos leitores para  dois infectologistas, membros da Sociedade Rio-Grandense de Infectologia. Quando perguntada se a limpeza de piscina deveria ter alguma outra substância para eliminar o corona, a médica Andrea Dal Bó é bastante direta: “Cloro basta”. Clique aqui e leia a matéria completa.

 

Viver Bem

É possível pegar o Covid-19 da água da piscina? A jornalista Lúcia Helena de Oliveira, que foi editora da revista Saúde, da Editora Abril, por 17 anos e editou 38 livros de autores médicos para o público leigo. Nesta matéria ela entrevistou a  infectologista Eliana Bicudo, de Brasília que disse que o risco de se contrair coronavírus em uma piscina é “quase nenhum”.  “O cloro não dá chance para o novo coronavírus ficar por ali”. A médica é assessora técnica da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia). Clique aqui e leia o artigo completo: