Vantagens do Uso de Solução de Hipoclorito de Sódio na Cloração

Vantagens do uso de Solução de Hipoclorito de Sódio na Cloração – Hidrogeron

Compartilhar

Vantagens do uso de Solução de Hipoclorito de Sódio na Cloração. A pós-cloração é uma etapa primordial para a garantia de uma água livre de micro-organismos patogênicos. Essa etapa, realizada no final do tratamento de água, inativa os patógenos que não foram eliminados nas etapas anteriores e tem ainda a função de garantir água isenta de micro-organismos por toda rede, até que ela chegue ao consumidor.

A escolha de um desinfetante para água de abastecimento público depende:

  • Da eficácia em inativar os diferentes micro-organismos patogênicos, sob condições normais de operação;
  • Da capacidade de assegurar teor residual;
  • Características que possam ameaçar pessoas e ambiente durante a sua aplicação e depois;
  • Segurança de manuseio, estocagem e transporte;
  • Custo;

Dentre os métodos de desinfecção disponíveis, a cloração é o método que atende a estas características para utilização em estações de tratamento de água. Outros métodos, como ozônio ou radiação UV, são bastante eficazes em relação à ação desinfetante. No entanto, não apresentam ação residual e seu custo ainda é alto.

A cloração é o método mais antigo e o mais utilizado em muitos países. A garantia de seu êxito é devido à sua disponibilidade, baixo custo, eficiência na ação desinfetante, ação residual e boa persistência nos sistemas de distribuição.

O cloro é encontrado facilmente disponível nas formas gasosa (Cl2), líquida (hipoclorito de sódio) e sólida (hipoclorito de cálcio). A forma gasosa apresenta alta solubilidade em água, entretanto, têm a desvantagem por ser um gás tóxico, irritante e corrosivo. O cloro gasoso é perigoso mesmo em baixas concentrações no ar como 0,1% em volume. Por este motivo, o uso do cloro na forma gasosa requer rígidas normas de segurança para condições de armazenamento e preparo, além de demandar cara estrutura preventiva. Sua aplicação na água requer o uso do clorador a vácuo, que é um aparelho responsável pela dissolução do gás na água.

O hipoclorito de cálcio é bastante prático para ser manipulado na forma em pó ou pastilhas. No entanto, um dos subprodutos de sua reação com a água é a formação de hidróxido de cálcio que favorece a formação de incrustações em equipamentos e tubulações. Na forma sólida, a poeira é irritante aos olhos e vias nasais. Outros riscos se referem à possibilidade de incêndio em contato com matéria orgânica, podendo ser explosivo quando aquecido repentinamente a temperaturas acima de 100 oC.  Existe também o risco de geração de cloro gás se o recipiente estiver aberto em lugar fechado, quente e úmido.

O Hipoclorito de sódio é relativamente inofensivo por não apresentar riscos de vazamento de gás tóxico. Dentre os desinfetantes disponíveis tende a ser o de menor custo. Seu manuseio é mais fácil, sendo necessária apenas a prévia diluição para adição ao tratamento de água, sendo efetivo mesmo em altas diluições. Apresenta facilidade de preparo de soluções e utilização, e suas concentrações são facilmente determinadas. Estas vantagens justificam seu uso principalmente por sua maior segurança no armazenamento e preparo.

A substância é um composto de fórmula química NaClO. Encontrado na forma líquida, é  solúvel em água, não-inflamável, fotossensível, de fácil oxidação e decomposição, além de liberar gases quando em contato com ácidos.

A ação desinfetante do NaClO se deve à formação de ácido hipocloroso quando dissolvido em água. A substância reage com a água formando ácido hipocloroso e hidróxido de sódio.

O ácido hipocloroso pode se dissociar formando o íon hipoclorito de acordo com o pH da água, de acordo com a reação abaixo. A pH 5 ou abaixo, não ocorre a dissociação do ácido hipocloroso, ou seja, é encontrado 100% na forma de HClO. A valores de pH normais de tratamento de água, o ácido hipocloroso se dissocia e em pH 7,5 50% do HClO é convertido em íon hipoclorito (ClO). A pH 10 ou superior, todo o cloro é convertido em íon hipoclorito.

O ácido hipocloroso HClO é o agente mais ativo na desinfecção, sendo o íon hipoclorito menos ativo. Após ser consumido pelos processos oxidativos, o ácido hipocloroso e íon hipoclorito remanescentes permanecem na água assegurando uma ação desinfetante conhecida como cloro residual livre. A presença do cloro residual na concentração mínima de 0,2 mg/L é obrigatória em todo o sistema de distribuição da água tratada destinada ao consumo pela população.

A solução a base de substância, que contem maior teor de peróxido de hidrogênio em relação as demais alternativas, é capaz de realizar as funções oxidativas e de residual com melhor desempenho. Como exposto acima, o peróxido age mais rápido que o cloro, possibilitando maior estabilidade de residual na rede de distribuição.

A única alternativa que proporciona tais benefícios é o GERADOR DE NaClO IN LOCO. A produção e dosagem contínua e automatizada de solução oxidante (que contém peróxido de hidrogênio e hipoclorito de sódio) pode ser utilizada na pré e na pós cloração de forma segura e eficiente. Outro ponto de destaque é a linearidade do teor da solução. Esta característica é possível porque a produção e aplicação é constante. Em relação à segurança não há quaisquer riscos, uma vez que o hipoclorito encontra-se em baixas concentrações e a operação é automatizada, sem contato dos operadores com o produto químico.

REFERÊNCIAS:
Brasil. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Cloração de Água em Pequenas Comunidades Utilizando o Clorador Simplificado Desenvolvido pela Funasa / Fundação Nacional de Saúde. – Brasília : Funasa, 2014.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2914, de 12/2011. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 dez. 2011. Seção 1, p. 39-46.
http://www.revistatae.com.br/noticiaInt.asp?id=5230
http://www.uniparcarbocloro.com.br/uniparcarbocloro/web/Hipoclorito_de_Sodio.htm
RICHTER, C. A. Água: métodos e tecnologia de tratamento. 2. ed. São Paulo: Blucher

Leia também: