Como manter o teor ideal de cloro nas piscinas

Mantenha o processo de cloração das suas piscinas atualizado e o teor do cloro ideal

Compartilhar

Cloração da água de piscina

Quando se fala em cloração de piscinas, se está falando de um processo complexo que envolve diversos fatores que influenciam diretamente na qualidade da água oferecida e no custo investido em toda a operação. Um desses fatores, como em qualquer outro processo, é o teor do cloro: se o seu método de cloração for antiquado, você provavelmente está oferecendo água de qualidade inferior aos banhistas! Isso porque um processo de cloração desatualizado dificilmente conseguirá controlar de forma eficaz, econômica e confiável o teor do cloro nas piscinas — e isso é algo que acaba acarretando em problemas graves para o seu empreendimento, para o seu bolso e, principalmente, para a saúde dos seus clientes.

Assim, como um incentivo para que você comece a pensar na importância de se ter um processo de cloração de piscinas atualizado e eficiente no seu empreendimento, separamos alguns dos problemas que um sistema incapaz de manter o teor de cloro ideal pode te trazer:

EXCESSO DE CLORO NA PISCINA:

Apesar de ser extremamente importante para o tratamento da água, o cloro precisa ser aplicado em quantidades específicas — do contrário, a substância acaba se tornando nociva para os banhistas.

Quando presente em excesso, o cloro pode causar diversos desconfortos àqueles que entram em contato com a água. É comum, por exemplo, que os banhistas sintam irritações nos olhos, nas mucosas do nariz e da boca, causadas pelos gases que são resultado da evaporação natural da água da piscina. Além disso, os banhistas podem vir a experienciar sensação de queimadura e ardência na pele por conta do contato direto entre o cloro e a pele. E se estivermos falando sobre bebês ou pessoas com alergias, então, o excesso de cloro na água da piscina pode acabar acarretando em uma intoxicação grave!

Não é raro ver métodos de cloração defasados utilizando mais cloro do que o necessário para tratar a água das piscinas, o que implica em um desperdício desnecessário que com certeza está se refletindo no seu bolso. Isso significa que, ao investir na modernização do seu sistema de cloração, você vai estar, na verdade, economizando, já que o investimento com certeza vai se pagar a longo prazo. E, além de conseguir poupar o seu dinheiro, ainda tem o detalhe mais importante: você estará oferecendo águas completamente seguras e de qualidade aos seus banhistas.

 

FALTA DE CLORO:

Por outro lado, quando presente em quantidade abaixo da recomendada, o cloro também pode causar problemas graves. Afinal, ele é o agente responsável pelo combate às bactérias e algas na água da piscina. Se estiver em quantidade insuficiente, ele não conseguirá eliminar tais agentes externos, o que significa que a água não estará própria para uso. Bactérias, algas e micróbios se proliferam facilmente quando a água não está devidamente tratada, o que pode trazer muita dor de cabeça para você.

Além disso, conforme os patógenos vão se proliferando, a falta de cloro não deixa que a água oxide esses contaminantes, o que faz com que a piscina assuma uma aparência nublada bastante desagradável.

Para retornar a água ao seu nível normal, esteja a água com muito ou pouco cloro, é um processo muito difícil — é necessário até mesmo investir em tratamentos de choque e uma grande quantidade de produtos químicos para conseguir recuperar o nível ideal de cloro na água.

Quem tem piscina sabe que monitorar o teor de cloro todos os dias é absolutamente imprescindível para minimizar riscos, oferecer a melhor qualidade de água aos banhistas e também proteger o investimento. Começar a pensar em otimizar as suas operações com cloro é extremamente importante!

Leia também: